Loading...

© Simon Gosselin

© Simon Gosselin

ESTREIA NACIONAL
Antoine Defoort [FR]
Un faible degré d'originalité
Un faible degré d'originalité (Um fraco grau de originalidade) é uma conferência-em-curso sobre o assunto espinhoso da propriedade intelectual no campo da criação artística. Será desenvolvida através de esforços sérios de rigor e documentação, temperada por algumas digressões temáticas, aludindo mais a uma tarde de domingo com amigos do que a um curso de direito. O objetivo é traçar um inventário da legislação e da história dos direitos de autor, e lançar alegremente ideias sobre as questões e implicações sociais em jogo. Resumindo e concluindo, pretendo garantir que esta conferência seja:
- rigorosa
- clara
- e ainda assim um pouco emocionante.
Note-se que a área de interseção entre estas caraterísticas é bastante estreita.

Antoine Defoort

O público lisboeta conhece Defoort, que usa humor para destabilizar o status quo, através de espetáculos como &&&&& & &&&, Cheval e Germinal, apresentados ao longo de dez anos no Alkantara Festival. Em Un faible degré d'originalité, Defoort faz pontaria à propriedade artística. Ou: o que é que Les Parapluies de Cherbourg têm a ver com Kendrick Lamar?


Comprar Bilhetes

6–7 junho


quarta e quinta → 19h

Espaço de apresentação
Teatro Nacional D. Maria II
Sala Estúdio

Duração
75 min

Preço
12€

Classificação etária
M/12

Info
Em francês, legendado em português e inglês


Partilhar

Bio&nsbp;
Tenta manter um bom ambiente e um alto nível de porosidade entre os seus caprichos sazonais, a vida - a vida real -, e a arte contemporânea. Por isso debate-se frequentemente com contradições flagrantes que são ora assumidas com orgulho, ora escondidas com vergonha, misturando alhos com bugalhos e lançando-se em digressões selvagens. Os fracassos e acidentes são acolhidos de braços abertos e criam uma granularidade estaladiça particularmente apreciada pelos conhecedores.
Créditos&nsbp;
Reflete, faz esquemas e fala em voz alta Antoine Defoort
Encarrega-se da produção e urde planos Marion Le Guerroué
Antecipou e resolve os problemas técnicos Robin Mignot
Testou as ideias Mathilde Maillard
Dramaturgiou (do verbo dramaturgiar) e tergiversou Julie Valero
Concebeu e fabricou um notável púlpito Francis Defoort
Fez bricolage Sébastien Vial
Coordena os projetos Marine Thévenet
Alimentou a reflexão e pôs em perspectiva Julien Fournet
Fizeramos contratos, as declarações e muitas outras coisas Kevin Deffrennes, Margot Vouters, Camille Bono
Escreveu um artigo sobre a sucessão de Maurice Ravel Irène Inchauspé
Apoiou indefetivelmente o projeto Le Vivat
Produção l'Amicale de production Coprodução Le Vivat - Scène conventionnée danse et théâtre d'Armentières, le phénix scène nationale Valenciennes pôle européen de création / Le Centre National de la Danse (CND, Paris) / Bit Teatergarasjen (Bergen, Noruega) / le CENTQUATRE (Paris)/ le Beursschouwburg (Bruxelas, Bélgica)
Apoio Le PianoFabriek (Bruxelas, Bélgica)
Apoio à difusão Instituto Francês
Tradução e legendagem Joana Frazão
 Espectáculo anterior   Próximo espectáculo