Loading...

© João Fiadeiro

João Fiadeiro [PT]
From afar it was an island
From afar it was an island é o título de um livro para crianças do designer italiano Bruno Munari. No livro, Munari fotografa uma série de pedras e rochas que encontrou no sul da Itália, organizando-as e ilustrando alguns dos princípios e premissas que sustentam a sua prática e pensamento. Entre eles, a constatação de que a percepção está intimamente ligada ao contexto e à relação, bastando uma pequena mudança de perspetiva ou de escala para uma linha se transformar numa estrada ou uma pedra numa ilha.

O espetáculo de João Fiadeiro não se apoia diretamente no livro, mas aquilo que procura em termos de qualidade de presença, duração e atenção está enraizado nos princípios e jogos de percepção que o livro trata.
De longe, aquilo que os intérpretes dizem e fazem parece fazer sentido. Os seus movimentos seguem um sistema lógico - uma noção de princípio, meio e fim - que reconhecemos nos nossos corpos e nos corpos com que interagimos diariamente (reais ou ficcionais, presentes ou ausentes). Mas à medida que o tempo passa, damo-nos conta de que esses corpos não se dirigem a lado nenhum e de que não representam mais nada senão a sua própria presença. Dirigem-se a algum lugar, um lugar de onde nunca saíram. Um lugar onde o tempo está simultaneamente suspenso e em expansão. Um lugar onde o fim e o princípio se confundem e o interior e o exterior invertem-se. Se forem bem-sucedidos (se encontrarem este lugar e forem capazes de o partilhar), cumprem aquela que parece ser a única função de uma obra de arte: oferecer-se à imaginação.

João Fiadeiro integrou o programa da primeira edição do festival Danças na Cidade em 1993.


Comprar Bilhetes

6–8 junho


quarta e quinta → 21h
sexta → 19h

Espaço de apresentação
Teatro Nacional D. Maria II
Sala Garrett

Duração
aprox. 75 min

Preço
5€ a 17€

Classificação etária
M/12

Info
Em várias línguas, legendado em português


Partilhar

Bio&nsbp;
Os primeiros anos da sua trajetória artística, no inicio dos anos 80, estiveram ligados a técnicas de dança mais formais como o Ballet, Graham ou Taylor, tendo dançado nesse período na Companhia de Dança de Lisboa e no Ballet Gulbenkian. Em 88 entrou em contacto com o movimento pós-moderno americano Judson Dance Theatre e com a Nova Dança Belga, alterando de forma radicalmente a sua relação com a dança, passando a praticar de forma intensiva a técnica de contacto-improvisação, ao mesmo tempo que era influenciado pelos métodos de composição de Trisha Brown ou Wim Vanderkeybus. Esse deslocamento levou-o a aproximar-se de criadores-pensadores como Vera Mantero, Francisco Camacho ou André Lepecki (entre outros) com quem criou o coletivo Pós d'Arte, um dos projetos pioneiros da Nova Dança Portuguesa. Em 1990 dá inicio à sua prática coreográfica regular e funda a Companhia RE.AL que para além da criação e difusão dos seus espetáculos, apresentados com regularidade um pouco por toda a Europa, acolhe e programa (na Malaposta, Ginjal, Capital e Atelier Real) artistas emergentes e eventos transdisciplinares como os LAB/Projetos em Movimento. No fim da década de 90 dá inicio à investigação da Composição em Tempo Real, uma ferramenta teórica-prática de apoio à criação, decisão e colaboração, que enquadra atualmente toda a sua atividade enquanto artista, investigador e pedagogo. Entre 2011 e 2014 co-dirigiu, com a antropóloga Fernanda Eugénio, o centro de investigação AND_Lab em Lisboa, que teve um papel chave na sistematização e processamento desta ferramenta. João Fiadeiro é regularmente convidado a leccionar em escolas e mestrados de dança em Universidades da Europa e América do Sul. É artista residente do teatro Viriato em Viseu no quadriénio 2018-2021 e frequenta o doutoramento em Arte Contemporânea do Colégio das Artes da Universidade de Coimbra.
Créditos&nsbp;
Conceito e direção João Fiadeiro
Codireção Carolina Campos
Interpretação e cocriação Adaline Anobile, Carolina Campos Iván Haidar, Julián Pacomio, Nuno Lucas
Espaço Cénico Nadia Lauro
Espaço Sonoro Jonathan Saldanha
Desenho de luz e direção técnica Leticia Skrycky
Dramaturgia Leonardo Mouramateus
Coprodução Alkantara, Festival DDD, Teatro Viriato, Teatro Avenida, Centre National de la Danse
Assistência Figurinos Gabriela Forman
Objetos Bruno Bogarim
Estagiário Mauro Soares
Produção executiva RE.AL
Difusão Something Great
Residências artísticas Atelier Re.Al, Espaço Alkantara, Armazém 22
Apoio Câmara Municipal de Lisboa / Polo Cultural Gaivotas | Boavista

Projeto financiado pela República Portuguesa
Cultura | DGArtes - Direção-Geral das Artes
 Espectáculo anterior   Próximo espectáculo